04 Razões para não comprar um imóvel direto com proprietário

Tempo de leitura: 5 minutos

Muitas pessoas buscam a transação imobiliária, seja para vender ou comprar, direto com o proprietário, sem o auxílio de uma imobiliária ou corretor de imóveis. O primeiro ponto que gostaria de chamar atenção é o porquê das pessoas preferirem negociar direto, do que contratar um profissional especializado. Isso acontece porque as pessoas, no geral, ainda não enxergaram o valor do corretor de imóveis. Assim, acreditam que o mesmo só quer comissão, o que vai encarecer a transação. Vale lembrar que estas pessoas também não identificam os riscos de comprar um bem de alto valor como um imóvel, sem conhecimento e sem auxílio.

Para te ajudar a argumentar com seus clientes e contribuir com a valorização do papel do corretor de imóveis, criamos este post, com 04 razões para não comprar um imóvel direto com proprietário.

Não é seguro

Não é seguro

Comprar um imóvel, por si só, é uma situação que exige muita atenção do comprador. Afinal é um bem de alto valor, que a maioria das pessoas só adquire apenas uma vez ao longo da vida. Porém, ao realizar esta compra direto com o proprietário do imóvel, os riscos de que alguma coisa dê errado são muito grandes. Já existem, inclusive, golpes comuns aplicados no mercado imobiliário, que acabam lesando compradores sem assessoria de uma imobiliária ou corretor de imóveis.

Vale lembrar que, caso você esteja sendo assessorado por um corretor de imóveis que não possui o CRECI, este está realizando um ato ilícito. E você também corre grandes chances de cair em um golpe.

Leia também  Passe longe desses 08 golpes do mercado imobiliário

Você pode comprar gato por lebre

Você pode comprar gato por lebre

A questão do valor do imóvel em si, é um dos principais pontos que podem comprometer a transação imobiliária direto com o dono.  A negociação de um bem como um imóvel envolve detalhes que somente um corretor de imóveis devidamente habilitado poderá analisar: avaliar um bem apenas por base no que “o vizinho está pedindo” ou pelo que você viu em anúncios on-line não faz sentido. Cada imóvel tem seus pontos fortes e fracos e também suas particularidades.

As imobiliárias e os corretores têm o papel de instruir os proprietários, enquadrando o valor de acordo com o mercado, assim o comprador não paga mais do que ele vale, e o proprietário não fica com o imóvel encalhado por estar com preço acima do valor de mercado. Ao realizar a transação direto com o proprietário, ambos não tem o conhecimento necessário para avaliar e chegar no valor ideal.

Você pode contrair dívidas antigas

Você pode contrair dívidas antigas

Se um possível cliente se arrisca a comprar um imóvel direto com proprietário, corre grande perigo de contrair dívidas sem mesmo saber. Um imóvel pode ter, por exemplo, uma dívida de IPTU equivalente a 50% do valor do imóvel, o que tornaria a compra totalmente inviável. No caso de apartamentos, o proprietário pode dizer que não existem débitos, mas sem uma comprovação oficial da administradora de condomínio, não há garantias de que está tudo quitado. As dívidas de condomínio são graves, e podem inclusive, fazer com que o comprador perca o imóvel.

Se a pessoa que está comprando não toma esses cuidados, ou não tem o conhecimento deste tipo de dívida, poderá ter um prejuízo gigantesco.

Leia também  Passe longe desses 08 golpes do mercado imobiliário

Você precisará entender muito sobre documentação

Aspectos Legais

 

Dificilmente uma pessoa leiga é capaz de solicitar e analisar a documentação de um imóvel de maneira correta. São vários tipos de documentos, e que podem causar confusão para quem não está preparado para interpretá-los. Para se ter uma ideia, existem diversos documentos diferentes e ainda tem a questão de analisar a autenticidade dos mesmos. Devemos considerar que falsificar um documento no Brasil não é muito difícil para quem pretende dar um golpe.

  • Certidão de Registro de Imóveis: pedida no cartório da região no qual o imóvel se localiza, mostra se o vendedor consta de fato como proprietário do imóvel;
  • Certidão Negativa da Justiça Federal, Certidão de Distribuidor Cível, Certidão de Distribuidor Trabalhista: todas servem para demonstrar que o proprietário não possui dívidas ou processos que podem levar o imóvel a ser penhorado;
  • Certidão de débito do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano): tirada na prefeitura, serve para mostrar que o IPTU está em dia;
  • Certidão de débito do condomínio: expedida pela administradora do condomínio ou pelo síndico para demonstrar que não há dívidas desta natureza.
  • Certidão Negativa de Débitos Previdenciários e Trabalhista: deve ser pedida quando o imóvel vendido tem menos de cinco anos e diz respeito à construtora e não ao dono do imóvel.

Imagina para um pessoa que não tem o conhecimento necessário lidar com todos estes documentos?

Conclusão

Os profissionais do mercado imobiliário existem justamente para assessorar as transações de compra e venda de imóveis. Estes profissionais estudaram e investiram para adquirir os conhecimentos necessários para fazer com que tudo ocorra da melhor forma possível. Por isso, não é aconselhável deixar de utilizar este serviço sob o motivo “economia”. Em muitos casos, o proprietário e o comprador, estarão, na verdade, correndo riscos e tendo aborrecimentos que poderiam facilmente evitar.

Espero que este artigo seja útil na sua argumentação!

Compartilhe este texto em suas redes sociais e contribua para um mercado imobiliário mais profissional e reconhecido!

Use este artigo para informar e auxiliar seus clientes sobre os riscos de realizar uma transação imobiliária sem um corretor de imóveis.

17 Comentários


  1. Cuidado na compra sempre.Mas tem um porem, os corretores no Brasil, na sua grande maioria não orientam nada no que diz respeito a valores, tudo o que eles querem sim é a comissão. O que as vezes os(as) corretoras fazem na tentativa de realizar a venda é dizer p/você aceitar carro como moeda de negociação.
    Lamento discordar de parte do seu texto, mas o serviço de corretor no Brasil deixa a desejar em muito.

    Responder

    1. Eliane, obrigado pelo seu comentário e por compartilhar conosco seu ponto de vista e sua experiência. Realmente é lamentável que você tenha passado por isso. É isso que faz com que o consumidor tenha uma impressão generalizada do corretor de imóveis 🙁

      No entanto acredito que assim como outras profissões, existem os bons e os maus profissionais. Por isso é importante saber escolher corretores e imobiliárias com boas indicações, bem preparados para atender as necessidades do seu cliente antes mesmo de pensar na sua comissão. Esse é o meu ponto de vista. Muito obrigado mais uma vez e um grande abraço

      Responder

      1. Direto com o proprietário e direto no banco a financiar, quitar ou refinanciar…não tem erro!!!!o resto é blá blá blá e 6% pro bolso deles

        Responder

    1. Que bom que o conteúdo lhe foi útil! Isso nos deixa muito contentes e motivados a continuar escrevendo. Grande abraço

      Responder

  2. Vendi um imóvel, eu mesmo foi a corretora.
    Era fruto de uma separação.
    Para fechar o negócio, o corretor fez uma reunião sem eu saber com comprador, assim assegurou o compromisso da venda.
    Deu posse ao imóvel para o comprador sem ter pago, este iniciou a reforma.
    Demorou seis meses para comcluir a compra, isso época de juros bancários de 1%
    Não mais uso corretor de imovel.
    Vou comprar de particular, pela caixa, pois ela constata todas os problemas legais do imóvel, ou contrate um advogado para auxilar ou fazer a transferência e verifcar a procedência.
    E sejam felizes.

    Responder

    1. Olá Emanoel,

      A profissão de corretor de imóveis é como outra qualquer. Por exemplo: Se você foi ao médico e ele te operou de forma equivocada quer dizer que toda a classe médica é ruim?

      Uma pena que você tenha passado por essa má experiência. Essa não é a realidade da maioria dos Corretores de Imóveis no Brasil. São profissionais sérios, éticos e que cumprem o seu papel.
      No seu caso, me estranha pois para que haja a compra e venda é necessário a assinatura do vendedor também no contrato. Além disso deve ser assinado a escritura pública. e Quem dá posse ao imóvel é o proprietário que está com as chaves ou ocupando o imóvel.

      Se sentiu prejudicado sugiro que denuncie este corretor junto ao CRECI de sua região e inclusive recorra aos seu direitos judicialmente.

      Ab

      Responder

  3. Concordo com a abordagem sobre o valor do corretor de imóveis. Tem sua importância sim!

    Porém a burocracia, os impostos e taxas abusivos, e ganância de muitos corretores que fixam unilateralmente seu valor de comissão, são fatos que distanciam cada vez mais os corretores do público.
    Se o imóvel é meu, eu pago ao corretor o quanto eu quiser.
    Já pagamos impostos demais neste país
    Conclusão:
    Prefiro venda e compra direta

    Responder

  4. Na minha experiência com imóveis, os corretores em geral querem sim é a comissao a qualquer custo. Fora os que ainda tentam ganhar mais do que é devido, pelo uso de argumentos – com exceções exemplares, é claro.
    Notem o comentário do Dr.Tito Manoel: muito sábio.

    Responder

  5. Sinceramente eu acho que o corretor deveria ser valorizado sim
    Porém, aqui no Rio de Janeiro, tem corretor (e não são poucos) que sabem menos que o cliente. Eu já comprei apartamentos com assessoria de advogado e deu tudo certo. A documentação não é nenhum bicho de sete cabeças. E aqui no Rio as imobiliárias querem ganhar muito de uma vez só. Outra coisa chata: Os corretores querem logo te amarrar com sinal. Ai vem com aquela de que o mercado pratica 10 % do valor do imóvel. Convenhamos que para um imóvel de R$800.000, 00 (valor que aqui no Rio você compra um usado de 2 quartos na zona sul) dar 80.000,00 de sinal, assim de primeira é complicado. Eu acho que um valor de até R$ 5.000,00 já é uma boa grana para segurar um negócio.
    Não sei como as coisas funcionam nos outros estados, mas aqui no Rio é péssimo.
    Um abraço a todos

    Responder

    1. Obrigado pelo seu depoimento e participação Adilson. Sempre bom ouvir o lado do cliente também 🙂

      Só assim vamos construir um mercado mais organizado e ainda melhor

      Responder

  6. Olá. Tenho uma dúvida. Na casa dos meus avôs possui um imóvel com 2 casas (1 deles e outra alugada), gostaria de comprá-la em prestações direto com eles, mas que eles continuem morando na casa deles e eu vá para a outra, e quando acontecer de falecerem, eu continuar pagando as prestações aos meus tios (que seriam os donos da casa né). Mas gostaria que tudo estivesse em contrato para eles se sentirem seguros de continuarem morando lá e eu de não perder o imóvel no futuro. Sabe me informar se isso é possível de alguma forma? E como funciona com escritura?

    Responder

    1. OLÁ LETÍCIA,

      É preciso analisar a documentação do imóvel para ser mais preciso, mas é possível fazer isso. Sugiro que procure uma imobiliária para lhe auxiliar nesse processo. abs

      Responder

  7. Os olhos crescem nos 6% é isso que querem.
    Apenas miram ou no comprador ou no vemdedor querem é a comissao. Muitos deixam ate as partes se entenderem e aguardam o desfecho

    Responder

    1. Olá Vagner, que pena que você teve essa experiencia com o Corretor. Espero que tenha uma próxima oportunidade de ser orientado por outro corretor que desempenhe seu papel de verdade e gere valor para você. E obrigado pela sua contribuição aqui no nosso Blog.

      Responder

  8. Bom dia,
    Estou passando por isso agora, pois estou em processo de venda da minha casa, onde está quase todo o meu patrimônio.
    Penso que toda essa celeuma ocorre porque a comissão de venda arbitrada de 6% é absolutamente insensata. Talvez na sua origem histórica, em um período onde os imóveis tivessem um valor agregado mais baixo, até fizesse sentido, mas há tempos isso ficou desproporcional. Em um imóvel de 800.000,00, como o citado acima, não faz sentido pagar quase 50.000,00 reais de comissão. Ninguém aceita isso numa boa, pois é desproporcional ao serviço prestado. Quando você procura um profissional, o valor cobrado precisa ser proporcional ao serviço prestado. Nem uma neurocirurgia de alta complexidade custa isso. Então cria-se uma situação incômoda para todas as partes. Tardou-se muito a se estipular um valor para o serviço prestado do corretor e da imobiliária. Quanto vale esse serviço? Isso não pode estar atrelado a uma porcentagem do imóvel, não faz sentido. Enquanto insistirem nisso, verão sua profissão se deteriorar cada vez mais.

    Responder

    1. Wolme,

      Não entendi a parte “arbitrada”. Geralmente é feito um contrato de prestação de serviço ou assinado uma autorização de venda onde o Proprietário do imóvel está ciente dos serviços que serão prestados pela imobiliária/corretor e somente em caso de sucesso a comissão “combinada” deve ser paga.

      Falo combinada pois caso você proprietário não concorde com o valor tem a liberdade de não contratar a imobiliária, contratar um profissional mais barato ou fazer a venda sozinho.

      No mais agradeço sua participação e contribuição, pois é sempre enriquecedor ouvir a percepção de todos no mercado. É uma visão que faz sentido sim com relação ao futuro da profissão.. abs

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *