Corretora de imóveis: a mulher no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 6 minutos

Nas últimas décadas, a mulher vem vencendo cada vez mais barreiras na vida profissional. Pouco a pouco as mulheres vão ampliando seu espaço na economia nacional e se permitindo atuar em qualquer área. Podemos constatar  uma quebra de tabus em segmentos que não empregavam mulheres, como o mercado imobiliário.

A década de 90 foi marcada pelo fortalecimento da participação feminina no mercado de trabalho e o aumento da responsabilidade no comando das famílias. A mulher, que representa a maior parcela da população, viu aumentar seu poder aquisitivo, o nível de escolaridade e conseguiu reduzir a defasagem salarial que ainda existe em relação aos homens.

Reunimos neste artigo um pouco sobre a história das mulheres do mercado imobiliário, o aumento da participação feminina no setor, além dos diferenciais e desafios da mulher corretora de imóveis.

A história das mulheres no mercado imobiliário

a-historia-das-mulheres-no-mercado-imobiliario

Apesar de já existir há muitos anos, a profissão de corretor de imóveis só foi permitida para mulheres a partir de março de 1958. Isso porque, até esta data, existia um artigo no Código Comercial Brasileiro, o artigo 37, que proibia as mulheres de atuar como corretora de imóveis. 

Um exemplo de mulher pioneira na área é Marly da Silveira Ferreira, corretora de imóveis desde 1976, e primeira mulher a assumir a presidência do também pioneiro Sindicato dos Corretores de Imóveis do Município do Rio de Janeiro. Fundado há 78 anos, o sindicato carioca surgiu antes da regulamentação da profissão de corretor de imóveis e teve presença fundamental na criação de outras entidades, como os Creci’s, o Cofeci e a Fenaci.

Participação feminina no mercado imobiliário

Não espere sua vez

Em 2013, o COFECI (Conselho Federal de Corretores de Imóveis) realizou uma pesquisa sobre os corretores de imóveis brasileiros, e constatou alguns dados relevantes sobre o perfil destes profissionais. Um deles refere-se ao aumento da participação feminina no setor. Nos últimos dez anos, o número de mulheres aumentou em 144%. Até a data da pesquisa, 20,24% dos profissionais que atuam como corretores de imóveis são do sexo feminino.

O aumento da participação feminina no mercado imobiliário não se restringe ao exercício da profissão: elas também, embora com intensidade ainda muito pequena, vem atuando de maneira crescente em entidades voltadas à defesa da categoria como CRECIS e Secovis, em todo Brasil.

Leia também  Mulheres que Inspiram: Mirian Dayrell

Formação e capacitação

formacao-e-capacitacao

A profissão de corretor de imóveis é regulamentada e exige formação acadêmica. Para que você obtenha sua credencial de profissional é necessário concluir um curso técnico ou superior na área. Além da formação obrigatória, buscar capacitação e cursos extras ao longo da carreira é fundamental para o aperfeiçoamento profissional. Neste quesito as mulheres também se destacam, pois tendem a buscar mais qualificação ao longo da carreira.

A participação da mulher do mercado imobiliário também é um reflexo do aumento da força da mulher nas universidades brasileiras. Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o número de mulheres que ingressam no ensino superior supera o de homens. No último ano do decênio, do total aproximado de 6 milhões de matrículas, 3,4 milhões foram de mulheres, contra 2,7 milhões do sexo oposto.

Leia também  Como se tornar um corretor de imóveis de sucesso: o guia definitivo

Atendimento

atendimento-mulher.corretora-de-imoveis

De acordo com o consultor Alexandro Santos, a habilidade para conduzir mais de uma tarefa é algo inerente ao público feminino. Para Alexandro, “as mulheres se destacam no mercado por serem muito mais sensíveis que os homens, o que é melhor na hora de resolver conflito. Além disso, são comunicativas e multitarefa, conseguem resolver vários problemas ao mesmo tempo”.

Além disso, o instinto materno de delicadeza e a atenção aos detalhes fazem das mulheres mais flexíveis quando lidam com perfis diferentes de clientes, o que é uma grande vantagem no mercado imobiliário.

As mulheres tendem a ser mais eficazes quando se fala de profissionais de vendas, segundo o professor de MBA da Fundação Getulio Vargas, Claudio Tomanini. Os motivos são as características naturais da mulher que, mesmo que possam ser possuídas por homens também, são mais comuns entre os indivíduos do sexo feminino.

Leia também  Como oferecer um atendimento personalizado em sua imobiliária

Desafios da mulher corretora de imóveis

desafios-da-mulher-corretora-de-imoveis

Para a maioria das mulheres, em diversas áreas de atuação, o principal desafio é lidar com a dupla jornada, tendo que conciliar carreira e vida profissional, de forma exitosa.

Segundo a diretora das Prerrogativas da Mulher Corretora de Imóveis, Thabata Yamauchi, “As corretoras de imóveis têm os mesmos desafios do homem, porém existe algo a mais: no caso de imóveis de lançamento, são raros os plantões que possuem uma estrutura separada de banheiro para corretora. Mulheres grávidas não possuem licença maternidade e às vezes a falta de segurança local para uma mulher ficar sozinha num plantão é um problema que se enfrenta”, disse.

Apesar do aumento da participação feminina no setor, um dos desafios certamente ainda é lidar com o preconceito.

Preconceito no mercado imobiliário

Riscos

Para Marly da Silva Ferreira, hoje praticamente não há mais preconceito contra a mulher corretora de imóveis, mas quando ela iniciou existia e muito. “Atualmente, as mulheres são muito solicitadas e valorizadas pelo mercado. Na época em que eu comecei na corretagem, em 1976, sim, tinha muita discriminação. Clique aqui para ler sua entrevista na íntegra.

Já para Cássia Ximenes, diretora da Silvio Ximenes Imóveis e presidente do CMI/SecoVi- MG, as mulheres ainda existem situações que incomodam a maioria das mulheres. Em entrevista concedida ao ao Diário do Comércio, Cássia diz que se assusta com número de mulheres do curso de pós graduação em Gestão de Negócios Imobiliários da Fundação Dom Cabral. Dos 43 alunos, apenas 09 representam o público feminino. Além disso, Cássia ressalta que as mulheres ainda enfrentam muito preconceito por serem mulheres. Atividades corriqueiras na profissão como marcar um café com o cliente, no caso das mulheres, precisa ser feito com muito cuidado, para evitar interpretações maliciosas.  

Leia também  Mulheres que Inspiram: Cássia Ximenes

Conclusão

Mesmo diante da evolução nos últimos anos, e de termos conseguido provar nosso potencial para atuarmos em qualquer área, até naquelas antes destinadas somente aos homens, ainda existem muitos desafios e diversas barreiras a serem rompidas pelas mulheres no mercado de trabalho.

E você, concorda? Como vê o papel da mulher no mercado imobiliário? Tem uma opinião sobre o assunto? Compartilhe conosco nos comentários abaixo.

 

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *